Ícone do Instagram FIQUE POR DENTRO

Amazônia tem rios mais secos do que em 2023 e entra em alerta máximo

La Niña, a esperança

A esperança positiva dos pesquisadores para que uma tragédia climática, como a de 2023, não se repita é a “torcida” para que os efeitos do La Niña comecem antes do esperado, ou seja, “antecipe” a previsão de trazer impactos (chuvas de maior intensidade na Amazônia) apenas no último trimestre do ano.

Se isso não ocorrer, os rios devem cair de maneira bastante rápida e com antecedência de semanas ou até mais de um mês do que ocorreu o ano passado.
Renato Cruz Senna

Segundo Ana Paula Cunha, do Cemaden (Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais), o pico da seca em 2023 ocorreu entre os meses de outubro e novembro. Ela diz que a maioria dos modelos climáticos apontam que haverá, nesse período, uma transição de El Niño para o La Niña.

O problema é que os mapas de medições do Cemaden revelam que a região já entra nesse período de maior estiagem com grande parte das áreas com “seca extrema e excepcional”, diferente do que ocorreu no ano passado.

Temos que ir acompanhando, mas certamente até setembro a situação estará crítica, principalmente para fogo.
Ana Paula Cunha



Envie sua mensagem: (21) 96965-4710

COMPARTILHE

plugins premium WordPress
Iniciar Conversa
Oi, posso ajudar?
Olá! Obrigado por ouvir a Rádio Graça e Paz, qualquer coisa é só chamar!
Iniciar Conversa
Oi, posso ajudar?
Olá! Obrigado por ouvir a Rádio Graça e Paz, qualquer coisa é só chamar!