Ícone do Instagram FIQUE POR DENTRO

Camila Sosa Villada diz que travestis enriquecerão palavra – 30/06/2024 – Ilustrada

“O que aconteceria se as travestis olhassem leitores diretamente nos olhos?”, provocou Camila Sosa Villada a espectadores que não desgrudavam seus olhos dela na Feira do Livro, em São Paulo, neste domingo.

É uma pergunta que vem da gênese do livro “Tese sobre uma Domesticação”, sobre uma atriz trans que é rica e poderosa, sem pedir piedade alguma ao mundo.

“Minha intenção era responder aos jornalistas e leitores que tinham feito críticas a ‘O Parque das Irmãs Magníficas’ e se aproximavam de mim com comiseração. E eu sabia que estavam mentindo. Precisava que essa protagonista olhasse os leitores de cima.”

A argentina está no Brasil para lançar três livros: além desse romance pela Companhia das Letras, o ensaio sobre escrita “A Viagem Inútil” pela Fósforo e os poemas de “A Namorada de Sandro” pela Tusquets. A variedade dá uma noção da recepção de alta temperatura da autora por aqui, na mesa mais lotada do primeiro fim de semana de evento.

O encontro foi uma defesa fervorosa da linguagem travesti, que para ela não deve se “submeter à linguagem cis heterossexual nem à homossexual”. “A linguagem travesti vai enriquecer a palavra”, prometeu.

Ela usa o tempo futuro porque a autoria de pessoas trans ainda é rara no mercado editorial. “Não sabemos o alcance nem a influência que a sintaxe travesti terá no mundo literário, porque somos poucas ainda.”

“Não é só que eu não estava destinada a escrever, eu não estava destinada a sobreviver. As travestis vamos morrendo pelo caminho, não chegamos a aprender a ler e escrever. Então eu sabia que tinha esse superpoder da palavra, que ganhei do meu pai e minha mãe na infância.”

A instituição familiar é uma das curiosidades mais recentes e pronunciadas da literatura de Sosa Villada. “Quando falavam em ‘Parque’ na tal família que era escolhida pelas travestis, eu dizia que isso é amizade, não família. Em ‘Tese’, a célula familiar é praticamente uma máfia, porque é isso que acho que famílias são.”

A mesa padeceu de uma questão que também afetou a argentina Claudia Piñeiro um pouco antes. Nos alto-falantes imperou a tradução simultânea, não a voz da autora, algo que repetiu um descompasso geral já presente nas primeiras edições da Feira. Por uma falha técnica que impediu o som de chegar à boa tradutora, o microfone de Sosa Villada foi liberado por poucos minutos, para um público em êxtase.

Envie sua mensagem: (21) 96965-4710

COMPARTILHE

plugins premium WordPress
Iniciar Conversa
Oi, posso ajudar?
Olá! Obrigado por ouvir a Rádio Graça e Paz, qualquer coisa é só chamar!
Iniciar Conversa
Oi, posso ajudar?
Olá! Obrigado por ouvir a Rádio Graça e Paz, qualquer coisa é só chamar!